Mercado de delivery cresce no Brasil: serviço ganha mais espaço com o coronavírus

--><!---->
Mercado de delivery cresce no Brasil: serviço ganha mais espaço com o coronavírus

Com um movimento de R$ 10 bilhões anuais, o mercado de delivery no Brasil segue em ascensão no país. O que antes era dominado somente pelas pizzarias, hoje basta pegar o celular, escolher o aplicativo de serviços e, depois de poucos cliques, receber de lanches simples aos pratos requintados preparados por chefs renomados.

Segundo um levantamento do Sebrae, a maioria dos consumidores prefere locais que ofereçam entrega em domicílio. Dos restaurantes e lanchonetes atendidos pela instituição, metade oferece esse serviço, sendo que 12% nem possui loja física, seguindo a tendência dark kitchens, como explicamos neste artigo.

Sendo assim, o mercado de delivery tornou-se cada vez mais requisitado, sobretudo com o surgimento de aplicativos de entrega. Além de facilitar a vida do consumidor final, essas novas empresas ‘empregam’ centenas de milhares de pessoas, que entregam os alimentos em motos e até em bicicletas.

O boom do delivery acontece em meio a mudança de comportamento do consumidor. Segundo especialistas do food service, a conveniência, falta de tempo e a facilidade impulsionam a entrega de alimentos por aplicativo. O presidente da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel) de São Paulo, em entrevista ao jornal Folha de São Paulo afirma que, a tendência é mundial. “É um segmento que cresce exponencialmente. ”

Pandemia do coronavírus vai exigir mais delivery

As medidas de restrição impostas pelas autoridades brasileiras para conter o avanço do novo coronavírus vai exigir mais do delivery. Isso porque bares, restaurantes e lanchonetes terão de fechar ou funcionar com capacidade reduzida. A única forma autorizada de funcionar, principalmente em São Paulo e Rio de Janeiro, é realizando entregas por aplicativo.

Esse momento delicado vai demandar mais desse tipo de serviço, afinal de contas a maioria das pessoas está em casa. Por essa razão, é a chance de transformar a crise em oportunidade. No entanto, para ter sucesso no delivery é importante seguir algumas dicas que listamos. Veja abaixo:

Divulgue ao cliente o serviço delivery

Nesse momento de pandemia, os clientes precisam saber que a empresa oferece delivery. Sem gastar, é possível vincular o serviço com aplicativos de entrega, como iFood, Uber Eats e Rappi. O único investimento é na divulgação em redes sociais, como Facebook, Instagram e WhatsApp.

 Priorize a qualidade e a higiene

Mesmo sem o restaurante ou lanchonete aberto, priorize a qualidade dos pratos. O consumidor, mais do que nunca, está de olho na higiene dos serviços oferecidos.

Dessa forma, redobre a atenção nas embalagens e oriente os entregadores a seguir as orientações de distância social.

 Facilite o pagamento

Para evitar o contato muito próximo com o dinheiro ou com o entregador, é importante priorizar certos meios de pagamentos, como pagamentos diretamente pelo aplicativo ou transferência bancária. O iFood já oferece esse tipo de opção.

Padronize os processos

Qualquer restaurante ou lanchonete deve padronizar os processos, sobretudo neste tempo em que o delivery vai crescer. Da elaboração dos pratos ao empratamento, a padronização aumenta a produtividade e melhora a qualidade dos serviços.

A Engefood disponibilizou um time online para conversar com empreendedores para evitar perdas em tempos de crise neste número: (11) 4225-9400. Nesse atendimento, você conta com uma assessoria especial dos colaboradores, que podem sugerir soluções para reduzir possíveis perdas e transformar essa crise em oportunidades.

Comentários